fale conosco
Voltar para o Blog

Marketing Conversacional - Tudo que você precisa saber

Antes de mergulharmos nas profundezas do Marketing Conversacional, temos um PRESENTE EXCLUSIVO para você! Baixe AGORA o nosso eBook gratuito "Tudo que você precisa saber sobre Marketing Conversacional" e antecipe-se explorando estratégias avançadas e insights que vão transformar suas conversas com clientes!

Não quer baixar agora? Sem problemas! Continue lendo para descobrir um mundo onde as conversas convertem e os clientes se tornam embaixadores da marca!

A Necessidade de se Comunicar

Desde os primórdios da civilização, por volta de 15.000 a.C, a comunicação tem sido uma ferramenta vital para a sobrevivência e progresso da humanidade.

Originada da imperiosa necessidade de transmitir informações, a comunicação evoluiu, transitando por diversas formas - desde sons, gestos e sinais, até as complexas e sofisticadas redes digitais que permeiam a sociedade contemporânea.

A Revolução Gutenberg e a Democratização da Informação

A invenção da prensa móvel por Johannes Gutenberg no século XV não apenas revolucionou a produção de livros, mas também democratizou o acesso à informação, permitindo que o conhecimento fosse compartilhado e disseminado em uma escala até então inimaginável.

A Bíblia de Gutenberg, como ficou conhecida a primeira grande obra impressa por sua máquina, simboliza um marco na disseminação da informação e cultura.

A Era Eletrônica e a Conexão Global

O século XIX trouxe inovações que eliminaram barreiras geográficas na comunicação. O telégrafo, inventado em 1792, e o código Morse permitiram que mensagens fossem enviadas a grandes distâncias em questão de minutos, não mais semanas ou meses.

A telefonia, o rádio e a televisão, surgidos posteriormente, adicionaram novas dimensões à comunicação, tornando-a instantânea e, eventualmente, visual e auditiva.

A Revolução Digital e a Era da Informação

A invenção do computador pessoal em 1976, seguido pelo advento da internet em 1989 e do smartphone em 1992, desencadeou uma revolução na forma como nos comunicamos e acessamos informações.

Empresas como Apple, Google e Meta têm, desde então, moldado nossas experiências digitais, influenciando não apenas como buscamos conhecimento, mas também como navegamos pela jornada de compra.

A Ascensão da Comunicação Móvel

A evolução da tecnologia móvel, desde o 1G Analógico (1991) até o emergente 6G, previsto para 2030, tem redefinido continuamente nossas expectativas e experiências de comunicação.

A internet móvel, especialmente, tem alterado drasticamente a maneira como nos comunicamos, permitindo uma conectividade sem precedentes.

A Era Conversacional e o Futuro Multiverso

Hoje, na era conversacional, a comunicação não é apenas instantânea, mas também incrivelmente interativa e personalizada, graças ao avanço da inteligência artificial. E, à medida que nos aproximamos da era do Multiverso, onde realidades físicas e virtuais convergem, as possibilidades para a comunicação e o marketing conversacional são praticamente ilimitadas.

Neste contexto, a era conversacional se destaca como um precursor vital para a imersão em um futuro multiverso, onde as fronteiras entre o digital e o físico são cada vez mais tênues e permeáveis.

A comunicação, na sua essência, evoluiu para ser não apenas bidirecional, mas também incrivelmente adaptativa e antecipatória, graças à integração de tecnologias de IA, como chatbots e assistentes virtuais, que conseguem aprender, adaptar-se e prever as necessidades dos usuários com precisão cada vez maior.

À medida que avançamos em direção ao conceito de multiverso, a comunicação e o marketing conversacional se expandem para além dos limites tradicionais, explorando novos domínios onde as experiências físicas e digitais coexistem e se entrelaçam de maneiras inovadoras e envolventes.

Imagine um mundo onde as interações com a marca não estão apenas confinadas a uma tela, mas são integradas de maneira holística em nossas realidades física e virtual, criando experiências de cliente que são verdadeiramente omnicanal e imersivas.

Neste futuro multiverso, as marcas terão a oportunidade de se conectar com os clientes de maneiras anteriormente inimagináveis, criando jornadas de cliente que são não apenas personalizadas, mas também extraordinariamente envolventes e memoráveis.

As estratégias de marketing conversacional, portanto, precisarão evoluir para abraçar esta nova realidade, explorando as infinitas possibilidades que surgem quando as barreiras entre o real e o virtual são dissolvidas.

A convergência de realidades propiciada pelo multiverso oferece um terreno fértil para inovações em marketing conversacional, onde a autenticidade e a personalização são elevadas por experiências de usuário profundamente imersivas e interativas.

As marcas, portanto, não apenas comunicarão suas mensagens, mas também orquestrarão experiências que são coesas, contínuas e, acima de tudo, centradas no usuário, independentemente do universo em que escolhem interagir.

Marketing Conversacional

O marketing conversacional representa uma evolução significativa do marketing tradicional e digital, entrelaçando-se intrinsecamente com estratégias de atendimento, seja este automatizado ou humano, e fundamentando-se na omnicanalidade que permeia o cenário atual.

A Omnicanalidade e a Comunicação Ubíqua

As empresas, agora mais do que nunca, precisam estar aptas a comunicar e atender seus leads, prospects, clientes, parceiros, colaboradores e o público em geral em qualquer canal, a qualquer hora e de todas as formas que os clientes desejarem.

A omnicanalidade não é apenas uma estratégia, mas uma necessidade imperativa para marcas que desejam manter-se relevantes e acessíveis em um mercado globalizado e digitalmente conectado.

Um Funil Ampliado e Multidimensional

O funil de marketing conversacional agora se desdobra em uma jornada mais extensa e integrada, não apenas navegando pelas águas do marketing e vendas, mas também ancorando firmemente nas terras do sucesso do cliente. Este funil ampliado, agora com oito etapas distintas - Atrair, Converter, Qualificar, Relacionar, Vender, Ativar, Impactar e Crescer - não só guia um prospecto até se tornar um cliente, mas também o navega através de uma jornada de contínuo engajamento e crescimento.

Esta abordagem, simbolizada por uma ampulheta, não apenas foca na conversão, mas também se estende por toda a jornada do cliente com a marca, assegurando que cada etapa, desde a primeira interação até se tornar um advogado da marca, seja cuidadosamente orquestrada e alinhada com as expectativas e necessidades do cliente.

Vamos explorar cada fase desta ampulheta do marketing conversacional, garantindo que cada etapa seja não apenas uma transição, mas uma evolução na relação entre a marca e o cliente.

Atrair (Visitante)

Utilize chatbots em redes sociais e websites para engajar visitantes com conteúdo interativo e respostas em tempo real, incentivando-os a explorar mais sobre a marca ou produto.

Converter (Lead)

Implemente formulários conversacionais e chatbots que facilitem a captura de informações de contato de forma amigável e interativa, oferecendo valor imediato através de respostas instantâneas ou conteúdo relevante.

Qualificar (MQL e SQL)

Use IA e chatbots para analisar as interações dos leads, pontuando-os com base em seu comportamento e dados, e oferecendo conteúdo personalizado para nutri-los automaticamente para o próximo estágio.

Relacionar (Vendas)

Empregue chatbots e mensagens automatizadas para manter os SQLs engajados, fornecendo informações adicionais, respondendo a perguntas e agendando reuniões com a equipe de vendas de forma automatizada.

Vender (Vendas)

Utilize plataforma de omnichannel para facilitar a comunicação durante o processo de vendas, oferecendo propostas, respondendo a objeções e fechando negócios de maneira mais direta e pessoal.

Ativar (Upsell)

Implemente chatbots para orientar os clientes durante o onboarding, identificar e sugerir oportunidades de upsell com base em suas necessidades e comportamento, utilizando mensagens personalizadas e ofertas.

Impactar (Retenção)

Utilize canais de mensagens para check-ins regulares, pesquisas com coleta de feedback e oferecimento de suporte proativo, garantindo que os clientes continuem encontrando valor e permaneçam engajados.

Crescer (Advogado da Marca)

Implemente programas de referência e revisão através de chatbots e mensagens automatizadas, incentivando e recompensando os clientes por advogarem a favor da marca e trazerem novos negócios.

Cada uma dessas etapas, quando ativada através de estratégias de marketing conversacional, não apenas facilita uma comunicação mais direta e instantânea com os clientes, mas também permite uma coleta de dados mais rica e insights sobre o comportamento e as preferências do cliente.

Isso, por sua vez, alimenta a inteligência artificial e os chatbots para oferecer experiências cada vez mais personalizadas e valiosas ao longo de toda a jornada do cliente.

Integração e Sincronia entre Departamentos

A implementação de um processo completo de marketing conversacional demanda uma integração holística entre outbound e inbound marketing, vendas, customer success, RH, inteligência de mercado e análise de dados.

Essa estratégia compreensiva deve ser capaz de mensurar e otimizar todos os sistemas das empresas, desde o site até os sistemas de CRM e ERP, destacando a indispensabilidade de profissionais especializados em growth, programação e data-driven nas estratégias contemporâneas.

A Reinvenção do Marketing

Neste cenário de evolução constante, os departamentos e agências de marketing estão se reinventando, buscando incessantemente novas habilidades e competências para alcançar os resultados planejados.

O marketing conversacional, portanto, não é apenas uma estratégia, mas uma filosofia que permeia toda a organização, influenciando a forma como as marcas interagem, compreendem e valorizam seus clientes em cada ponto de contato.

A Nova Agência Conversacional

A transição das agências tradicionais para o digital, que se desenrolou ao longo de anos, não apenas redefiniu paradigmas, mas também encerrou o ciclo de agências que não conseguiram se adaptar.

Agora, a metamorfose para o marketing conversacional promete ser uma revolução ainda mais profunda e, possivelmente, mais desafiadora.

Diferenças Fundamentais na Transição para o Conversacional

Enquanto a primeira onda de transformação digital focava predominantemente na mudança de canais e na adaptação às novas formas de interação digital dos consumidores, a era conversacional está reconfigurando o próprio esqueleto das agências.

As mudanças não se limitam a novas funções - algumas ainda em processo de invenção e outras em ajuste - mas também permeiam a filosofia operacional e estratégica das agências.

Perfil Profissional na Agência Conversacional

Diferentemente das agências de marketing digital, que geralmente contam com publicitários, designers, web designers, analistas de SEO, redatores e analistas de mídia e tráfego pago, uma agência conversacional demandará profissionais que sejam, simultaneamente, especialistas e generalistas.

Além de habilidades em programação frontend e backend, growth hacking e uma forte inclinação data-driven com profundo conhecimento em estatísticas, será imperativo possuir expertise em ferramentas e, crucialmente, em inteligências artificiais.

A capacidade de rápida adaptação a novas ferramentas e tecnologias será um pilar fundamental para o profissional da era conversacional.

Integração e Colaboração Multidisciplinar

As agências conversacionais não apenas buscarão atenção e conversão, mas também trabalharão estreitamente com equipes de vendas e atendimento ao cliente, abrangendo suporte, pós-vendas, relacionamento e geração de valor.

A sinergia entre os departamentos e a capacidade de trabalhar de maneira coesa e integrada com diversas equipes e tecnologias se tornará um diferencial competitivo vital.

Conclusão

A agência conversacional será, portanto, um ecossistema onde tecnologia e humanidade convergem para criar experiências de cliente autênticas, personalizadas e, acima de tudo, conversacionais.

A transição para esse novo paradigma exigirá não apenas a aquisição de novas habilidades e ferramentas, mas também uma reavaliação e, possivelmente, uma reinvenção das estratégias e filosofias operacionais existentes.

O Emergente Profissional de Design Conversacional do Marketing Conversacional

Em um cenário onde funções como "Design Conversacional" ainda são raras e pouco exploradas em plataformas como o LinkedIn, vislumbra-se um futuro onde tais posições não apenas serão avidamente buscadas pelas empresas, mas também oferecerão recompensas financeiras significativas para os profissionais.

A Multidisciplinaridade como Pré-requisito

Se você já atua em uma agência e possui uma natureza generalista, sendo capaz de orquestrar uma estratégia digital autônoma - desenvolvendo artes, textos, sites, SEO, integrações básicas, campanhas e análises - a adaptação para o design conversacional pode ser um passo natural e estratégico.

Isso envolverá aprofundar seus conhecimentos em programação e, crucialmente, em estratégias de growth, para compreender profundamente as nuances da comunicação eficaz com os públicos-alvo.

A Confluência de Humanas e Exatas

Um designer conversacional não pode ser exclusivamente orientado para as áreas de humanas nem ser puramente técnico em exatas.

A profissão exige uma habilidade única de navegar com destreza entre esses dois mundos, possuindo uma afinidade e apreço por estatísticas e dados, enquanto também compreende e aplica princípios de psicologia, empatia e comunicação humana.

A Arte e a Ciência da Conversação

O design conversacional vai além da simples criação de diálogos ou interfaces de usuário. Envolve a arte e a ciência de projetar experiências de conversação que sejam, simultaneamente, intuitivas e envolventes para os usuários, enquanto atendem aos objetivos de negócios e tecnologia da organização.

Isso significa entender profundamente os princípios de UX/UI, enquanto também se navega pelas complexidades da linguagem natural, machine learning e inteligência artificial.

Conclusão

O profissional de design conversacional será, portanto, um híbrido entre o técnico e o criativo, o analítico e o empático, tornando-se um elo vital na criação de experiências de usuário que não apenas atendam, mas encantem e engajem de maneira significativa e personalizada.

Aqueles que conseguirem navegar por essas águas multifacetadas estarão na vanguarda de uma nova era de comunicação e interação digital.

Canais de Comunicação do Omnichannel

A estratégia omnichannel visa proporcionar uma experiência de usuário coesa e integrada, independentemente do canal de comunicação escolhido pelo cliente. Vamos explorar um pouco sobre cada canal conversacional:

  • WhatsApp
    • Descrição: Uma plataforma de mensagens instantâneas com uma base de usuários massiva globalmente.
    • Uso Conversacional: Utilizado para suporte ao cliente, marketing direto, notificações e até transações comerciais.
  • Email
    • Descrição: Um dos canais de comunicação digital mais antigos e ainda amplamente utilizado.
    • Uso Conversacional: Personalização de mensagens, automação de marketing e comunicação direta com o cliente.
  • Direct Instagram
    • Descrição: Canal de mensagens diretas da plataforma social Instagram.
    • Uso Conversacional: Atendimento ao cliente, divulgação de ofertas exclusivas e engajamento direto com seguidores.
  • Messenger
    • Descrição: Plataforma de mensagens do Facebook.
    • Uso Conversacional: Chatbots para atendimento ao cliente, envio de atualizações e promoções.
  • Google Business Messages
    • Descrição: Ferramenta do Google que permite que as empresas conversem diretamente com os clientes através da busca do Google e do Google Maps.
    • Uso Conversacional: Responder perguntas, ajudar com compras e resolver problemas em tempo real.
  • RCS (Rich Communication Services)
    • Descrição: Evolução do SMS, oferecendo mensagens de texto mais ricas e interativas.
    • Uso Conversacional: Enviar mensagens interativas e ricas em mídia, proporcionando uma experiência de usuário mais envolvente.
  • SMS
    • Descrição: Serviço de mensagens curtas, utilizado para enviar textos simples.
    • Uso Conversacional: Notificações, alertas e mensagens transacionais.
  • Chatbot
    • Descrição: Assistente virtual que simula conversas humanas.
    • Uso Conversacional: Atendimento ao cliente 24/7, qualificação de leads e assistência em diversas etapas da jornada do cliente.
  • Voz
    • Descrição: Interação por meio de comandos de voz, seja por meio de assistentes virtuais ou IVR (Resposta de Voz Interativa).
    • Uso Conversacional: Suporte ao cliente, realização de tarefas por comando de voz e fornecimento de informações.

Cada canal tem suas peculiaridades e melhores práticas em termos de marketing conversacional. A chave para uma estratégia omnichannel eficaz é garantir que a comunicação seja consistente, personalizada e contextualizada, independentemente do canal que o cliente escolha para interagir com a marca. Isso cria uma experiência de cliente harmoniosa e integrada, aumentando a satisfação e a lealdade do cliente.

Quadros Kanban e CRM no Contexto Conversacional

Dentro do dinâmico universo do marketing conversacional, os quadros de Kanban e as ferramentas de CRM (Customer Relationship Management) emergem não apenas como ferramentas operacionais, mas como elementos cruciais que potencializam a eficiência e a eficácia das estratégias de engajamento e conversão.

Estes instrumentos assumem papéis vitais, facilitando meticulosamente a organização, o acompanhamento e a gestão eficiente de uma miríade de atividades, desde atendimentos iniciais até oportunidades de vendas avançadas.

Os quadros de Kanban, com sua visualização intuitiva e estrutura organizacional, permitem que as equipes de marketing e vendas visualizem o fluxo de trabalho e as interações do cliente de maneira clara e objetiva, promovendo uma colaboração mais integrada e uma resposta mais ágil às demandas dos clientes.

Eles se tornam o epicentro onde as conversas e os dados do cliente convergem para criar uma visão unificada do percurso do cliente.

Por outro lado, as ferramentas de CRM não apenas armazenam informações valiosas do cliente, mas também, quando integradas ao marketing conversacional, desencadeiam automações que são ativadas através da interação, seja do atendente ou do cliente, em tempo real.

Este ecossistema integrado permite que as marcas antecipem necessidades, personalizem interações e, crucialmente, automatizem processos de forma inteligente, garantindo que as conversas sejam não apenas reativas, mas proativas, prevendo e atendendo às necessidades dos clientes antes mesmo que eles as expressem explicitamente.

Além disso, a sinergia entre os quadros de Kanban e as ferramentas de CRM no contexto conversacional propicia um ambiente onde os dados do cliente são não apenas registrados, mas também analisados e utilizados para informar e otimizar futuras interações e campanhas.

Esta abordagem centrada no cliente e orientada por dados garante que cada conversa move a marca um passo adiante na construção de relacionamentos mais profundos e mais significativos com seus clientes, alimentando um ciclo contínuo de engajamento e lealdade.

  • Atividades
    • Descrição: O quadro de atividades é fundamental para gerenciar processos e ações.
    • Aplicação no Conversacional: Este quadro controla tanto as ações que devem ser executadas automaticamente, quanto aquelas que necessitam de intervenção humana, assegurando que cada etapa do processo conversacional seja monitorada e otimizada.
  • Tickets
    • Descrição: Os tickets são instrumentos para gerenciar e rastrear atendimentos ao cliente.
    • Aplicação no Conversacional: Cada ticket, baseado em protocolos específicos, deve mover-se fluidamente através de diversas fases até sua conclusão, garantindo que todas as interações do cliente sejam atendidas e resolvidas de maneira eficiente e satisfatória.
  • Oportunidades
    • Descrição: Este quadro é dedicado a gerenciar potenciais vendas e oportunidades de negócios.
    • Aplicação no Conversacional: Toda entrada que envolva um produto, serviço e preço é tratada como uma oportunidade e deve ser gerenciada através de um playbook de vendas ou um processo simplificado de atividades e cadências, com o objetivo final de marcar como ganho ou perda.

Integrando Quadros e CRM no Marketing Conversacional

A integração dos quadros Kanban com o CRM permite uma visão unificada e centralizada das interações do cliente, desde o primeiro contato até a conversão e além.

No contexto conversacional, esta integração assegura que cada diálogo e interação seja informado, intencional e alinhado com o histórico e as preferências do cliente.

  • Automatização e Personalização: Utilizando dados e insights derivados do CRM, os profissionais de marketing podem automatizar e personalizar as comunicações em todos os pontos de contato conversacionais, garantindo uma experiência do cliente coesa e relevante.
  • Análise de Dados: A análise de dados provenientes de interações conversacionais pode ser alimentada de volta ao CRM, oferecendo insights valiosos que podem informar e otimizar futuras estratégias e campanhas de marketing.
  • Gatilhos Personalizados: O início de um fluxo ou de uma automação, acontecem exatamente no momento da jornada de compra do cliente baseado na sua comunicação com a empresa ou atendimento, tornando sua experiência mais fluida e fora de automações baseadas em tempos determinados, como acontecem atualmente.
  • Aprimoramento Contínuo: A combinação de quadros Kanban e CRM facilita um ciclo de feedback contínuo, onde os dados e aprendizados das interações do cliente são utilizados para aprimorar constantemente os processos e estratégias conversacionais.

Conclusão: A aplicação estratégica de quadros Kanban e CRM no marketing conversacional não apenas eleva a eficiência operacional, mas também enriquece a experiência do cliente, criando diálogos mais informados, personalizados e, em última análise, mais envolventes.

Automação Conversacional: A Sinfonia entre Humanos e Robôs

A automação conversacional se refere à criação de fluxos automatizados que são ativados com base nas ações de clientes, atendentes ou vendedores, formando uma rede de interações que otimizam a jornada do cliente e as operações da equipe.

Playbooks: O Roteiro da Automação

Em um playbook, são meticulosamente definidas todas as etapas, atividades e cadências que devem ser executadas, muitas vezes por um ser humano. No entanto, uma parcela considerável dessas atividades tende a ser repetitiva e, portanto, é passível de automação.

Robôs, ou bots, podem assumir essas tarefas, conduzindo interações iniciais e, quando bem-sucedidos, transferindo para um atendente humano quando a interação se torna mais complexa ou um cliente solicita atendimento humano direto.

A Orquestração de Cadências na Automação

Dentro da automação conversacional, é possível estabelecer diversas cadências ativas de comunicação, seja via WhatsApp ou qualquer outro canal, e realizar uma série de ações automatizadas, tais como:

  • Criar Tarefas: Atribuir tarefas específicas a membros da equipe com base em gatilhos específicos ou comportamento do cliente.
  • Marcações e Eventos: Automatizar a criação de marcações e eventos para garantir follow-ups e interações oportunas.
  • Gestão de Quadros: Criar, atualizar ou mover quadros entre diferentes etapas ou funis automaticamente, assegurando que cada cliente ou lead esteja sempre na etapa correta da jornada.
  • Atualização de Dados: Atualizar o dicionário de dados e CRM com informações novas ou alteradas, mantendo os registros do cliente sempre atualizados e precisos.

Todas essas ações são executadas com base em gatilhos programados, que podem incluir uma variedade de comportamentos ou ações do cliente, como abrir um e-mail, clicar em um link, ou solicitar assistência.

A Harmonia entre Tecnologia e Toque Humano

A automação conversacional, quando implementada de maneira estratégica, não substitui, mas sim potencializa o toque humano, permitindo que os profissionais concentrem suas habilidades e esforços onde são mais necessários e eficazes.

Os bots gerenciam tarefas repetitivas e interações iniciais, enquanto os humanos intervêm para fornecer aquele toque pessoal e especializado quando necessário, criando uma experiência do cliente que é simultaneamente eficiente, escalável e autêntica.

Neste cenário, a tecnologia e a humanidade coexistem e colaboram, formando uma simbiose onde cada elemento amplifica as capacidades do outro.

Os bots, com sua capacidade de processar dados em alta velocidade e gerenciar múltiplas interações simultaneamente, oferecem uma primeira linha de comunicação que é imediata e sempre disponível.

Eles filtram e categorizam as interações do cliente, garantindo que as questões sejam direcionadas de maneira eficiente e eficaz, enquanto coletam dados valiosos que podem ser utilizados para personalizar futuras interações.

Por outro lado, os seres humanos, com sua capacidade inata de empatia, compreensão e criatividade, intervêm quando as interações tornam-se mais complexas ou quando os clientes necessitam de uma abordagem mais personalizada e humana.

Eles têm a habilidade de compreender o contexto, interpretar emoções e fornecer soluções criativas, garantindo que a experiência do cliente seja não apenas satisfatória, mas também encantadora e memorável.

A integração harmoniosa entre bots e humanos no marketing conversacional cria um ecossistema onde os clientes sentem-se ouvidos, compreendidos e valorizados em cada etapa de sua jornada.

Esta abordagem híbrida não apenas maximiza a eficiência operacional, mas também constrói uma ponte sólida entre a marca e seus clientes, fundamentada na confiança e na satisfação mútua.

Ao olharmos para o futuro, a chave para o sucesso no marketing conversacional residirá na capacidade das marcas de equilibrar de forma eficaz a eficiência da automação com a autenticidade e a empatia do toque humano.

Este equilíbrio, quando alcançado, não apenas eleva a experiência do cliente a novos patamares, mas também propicia um ambiente onde a lealdade e o engajamento florescem, impulsionando o crescimento e a sustentabilidade a longo prazo.

Dicionário de Dados e Banco de Dados: Pilares da Informação na Era Conversacional

O dicionário de dados e os bancos de dados não são apenas repositórios de informações, mas sim, na era conversacional, atuam como eixos centrais que alimentam e são alimentados por fluxos e automações conversacionais, proporcionando uma dinâmica de dados em tempo real.

Atualização e Integração em Tempo Real

Um banco de dados na automação conversacional pode ser atualizado em tempo real, capturando informações provenientes dos fluxos conversacionais e automações.

Essas informações não se limitam aos dados gerados internamente, mas também podem ser oriundas de ferramentas externas, integradas via webhook ou API, criando um ecossistema de dados robusto e integrado.

Relatórios Customizados e Análise de Dados

As informações armazenadas servem como uma fonte rica para gerar relatórios customizados, que podem abranger desde dados específicos de atendimentos até métricas mais amplas de engajamento e conversão.

Esses dados, quando analisados, fornecem insights valiosos que podem informar e otimizar estratégias de comunicação e marketing.

Dicionários de Dados: Alimentando Ações e Decisões

Os dicionários de dados desempenham um papel crucial, servindo como uma fonte de informações que podem ser consumidas para realizar ações dentro dos fluxos conversacionais, como processar pagamentos ou buscar informações sobre produtos ou serviços.

A atualização desses dicionários pode ser feita manualmente ou automaticamente, garantindo que as ações e interações sejam sempre informadas por dados precisos e atualizados.

Integração com Ferramentas de Análise

Além disso, os dicionários de dados podem ser integrados com ferramentas de análise de dados, como o PowerBI da Microsoft, permitindo a construção de Business Intelligence (BI) em tempo real.

Isso proporciona uma visão abrangente e atualizada da jornada do cliente, abrangendo ferramentas de comunicação, CRM e ERPs, e permitindo que as empresas tomem decisões informadas e estratégicas.

Conclusão: Dados como Catalisadores da Experiência do Cliente

Em resumo, o dicionário de dados e os bancos de dados, quando bem gerenciados e integrados, não apenas armazenam informações, mas também atuam como catalisadores que enriquecem a experiência do cliente e otimizam as estratégias de comunicação e marketing na era conversacional.

Esse eBook foi escrito por nosso CMO e Designer Conversacional Marcus Barboza em parceria com a Agência Pericoco.

Queremos ouvir de você! Junte-se à nossa comunidade e participe das conversas. Seus insights, perguntas e feedback são valiosos para nós e para todos que fazem parte da nossa rede e sempre visite nosso blog, pois estamos sempre criando conteúdo como esses.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Nossa política de privacidade
Hablla © 2023 - Todos os direitos reservados a GUPCHAT OMNICHANNEL LTDA - CNPJ: 07.145.678/0001-01
Entre em contato
Nossos selos
arrow-left linkedin facebook pinterest youtube rss twitter instagram facebook-blank rss-blank linkedin-blank pinterest youtube twitter instagram